Rio Grande do Sul no Século 20

 

O Rio Grande do Sul entrou no século 20 com grande vigor, embalado pelo espírito empreendedor dos imigrantes e governado por Borges de Medeiros, desde 1898, que era influenciado por Júlio de Castilhos, falecido em 1903. Borges de Medeiros governou o Rio Grande do Sul, por 25 anos, e marcou uma época.

A partir de 1895, surgiram as primeiras instituições de ensino superior, que passaram a integrar a Universidade de Porto Alegre, em 1934, e a Universidade do Rio Grande do Sul, em 1947, federalizada, em 1950.

Em 1910, a Diocese de Porto Alegre foi elevada à condição de Arquidiocese pelo Papa Pio X. O primeiro arcebispo foi o baiano Cláudio José Gonçalves Ponce de Leão, que era bispo da Diocese, desde 1890.

Em janeiro de 1923, eclodiu uma revolução em oposição à reeleição de Borges de Medeiros, que seguia para seu quinto mandato. As eleições eram marcadas por fraudes em favor do Governador. O conflito acabou com a assinatura do Pacto de Pedras Altas.

Em 1928, Getúlio Vargas assumiu o Governo do Estado. Em março de 1930, Vargas foi candidato nas eleições para Presidente da República, mas derrotado por Júlio Prestes. Vargas liderou um movimento revolucionário e tomou o poder. Em 3 de novembro, tornou-se o 14º Presidente do Brasil e ocupou o posto até 1945.

Os anos 1930 foram dominados por movimentos fascistas, em muitas partes do mundo. O Rio Grande do Sul foi especialmente influenciado por nazistas. Esses ideais foram jogados ao submundo com o fim da Segunda Guerra Mundial.

O pós-guerra valorizou a Democracia e Vargas foi deposto em outubro de 1945. O General Gaspar Dutra assumiu a Presidência em janeiro de 1946. Vargas foi para sua estância, em São Borja, foi eleito Presidente, em 1950, e suicidou-se em 24 de agosto de 1954.

As décadas seguintes foram de grande progresso para o Rio Grande do Sul, que se tornou o quarto estado mais rico da União, no século 20.

Mais:

Rio Grande do Sul no Século 18

Rio Grande do Sul no Século 19

Brasil no Século 20

 

Rio Grande do Sul

 

Mapas Rio Grande do Sul

 

Baiano

 

O baiano Cláudio José Gonçalves Ponce de Leão (1841-1924). Nasceu em Salvador e foi ordenado em 1867. Nomeado Bispo de São Pedro do Rio Grande do Sul, em 1890, pelo Papa Leão XIII. Denunciou as atrocidades da Revolução Federalista e remodelou o Seminário Episcopal. Em 15 de agosto de 1910, a Diocese foi elevada a Arquidiocese de Porto Alegre, criando-se mais três dioceses no Estado (Santa Maria, Pelotas e Uruguaiana). O clérigo baiano tornou-se o primeiro arcebispo metropolitano.

 

 

 

História

 

Igreja Viamao

 

A Ponte Getúlio Vargas sobre o Rio Guaíba, em fotografia de 1959 (acervo IBGE). Foi inaugurada em dezembro de 1958. Usou a mesma solução para a passagem de grandes embarcações adotada na ponte de Juazeiro, sobre o Rio São Francisco, na Bahia, construída em 1950, a segunda ponte no Brasil a usar concreto protendido, depois da Ponte do Galeão, inaugurada no ano anterior, no Rio de Janeiro. A Ponte do Rio Guaíba também usou a mesma tecnologia.

 

Mapa RS antigo

 

Ponte Guaiba

 

Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição, em Viamão, no início do século 20 (postal Edição A.M. La Porta). A capela primitiva de N.S. da Conceição foi erguida, em 1741, por Francisco Carvalho da Cunha, na Estância Grande, no atual Município de Viamão. Foi elevada à condição de Igreja Matriz da Freguesia criada em 1747. O templo atual foi inaugurado em 1797, mas concluído em 1841, com seis altares laterais, além do altar-mor. Foi tombada como patrimônio nacional, em 1938. É o segundo templo mais antigo do Rio Grande do Sul, depois da Catedral de São Pedro, concluída em 1755.

 

 

Mais: História do Rio Grande do Sul

 

 

 

 

Gaúcho tomando chimarrão na Região das Missões, em 1954 (acervo IBGE).

 

 

 

 

Rio Grande do Sul

 

Copyright © Guia Geográfico - Dados históricos RS.